5 de outubro de 2009

Aproveitar o outro!


Pensar nas relações de hoje em dia não é algo muito fácil, é perceptível que tudo é muito fugaz. Você sai a noite, “vê” alguém, que logo já quer te beijar e se a imagem te agradou tu beija e ali tudo acaba. Parece que as pessoas estão com pressa, alias, não parece de fato elas estão.
Não existe mais o flerte, a paquera, a troca de olhares. Tudo que existe é a rapidez de se “aproveitar” um do outro sem a menor pretensão de realmente APROVEITAR o outro. As pessoas não querem mais perder tempo com troca de elogios, com jogos de sedução, o ato de realmente se conquistar alguém. Porque conquistar alguém não é simplesmente beijar, conquistar ta muito mais alem. È abraçar, pegar na mão, olhar nos olhos e depois ter a certeza de que se o momento acabar ali foi uma conquista breve, mas concreta, os dois aproveitaram um ao outro e permitiram que alguém lhes proporcionasse um momento de entrega.
Com a pressa dos tempos de hoje todo esse lado gostoso da paquera não existe mais, as pessoas tem pressa de saberem que estão sendo desejadas, que estão sendo retribuídas. Estão achando por ai que o roçar de línguas é uma grande conquista. Só se for conquista de bactérias. Porque na verdade não existe uma troca nestes encontros fugazes, uma troca real de experiência, só o que existe é uma troca real de bactérias.
È importante redescobrirmos os prazeres de conhecer alguém, de conversar, de permitir que aquela pessoa te conheça. È preciso ter tempo de conhecer as pessoas. È preciso olhar no olho, segurar a mão, e todas estas coisas clichês do mundo dos românticos. Mas o mais importante é preciso ter tempo de estar disposto a investir na troca mesmo que ela seja momentânea. Não adianta reclamar que não se encontra mais homens ou mulheres disponíveis e interessantes. Na maioria das vezes nós não estamos disponíveis, e nem estamos interessados.
Portanto, de que vale ter momentos se não souber aproveitá-los, de que vale conhecer pessoas se não conseguimos, nem por dez minutos, estar com elas. De que vale correr tanto, ter tanta pressa se acabamos em lugar nenhum.

9 comentários:

Nicenhah disse...

aiii se tu me permites eu vo me meter aqui pra me exibir! Pois eu passei por esse período muitooo bom da conquista, o melhor eu acho. A conquista nao durou horas, durou meeeeses, e se tu me permites de novo.. foram os melhooores meses!
Mas o mais lindo de tudo eh que a conquista é sempre o melhor momento, e mesmo depois de quase dois anos, ela ainda existe, insinuante e misteriosa. O mundo seria muito mais sexy se todas as pessoas cultivassem a arte da conquista. (TODAS e não só as solteiras, porque conquista de verdade é aquela qeue acontece todos os dias)

Nicenhah disse...

h e eu me inspirei e roubei teu tema pra escrever tb no meu! eaiuheiauheiuahiea

Stella disse...

Como sempre....adorei...

beijoooo minha lôra

Barbara Bastos disse...

Excelente reflexão. Também não vejo com bons olhos este modelo de relação de hoje. O charme da sedução é muito mais gostoso, deixa o jogo mais interessante, o desejo mais ardente...
Hoje tem mulher que acha que ser sexy é ser vulgar, promíscua...Grande erro. Msa pra quê perder tempo explicando isso a elas, né? Para elas o tempo voa mesmo...
BJs

Anônimo disse...

Pra começar: seu sumiço foi percebido! Senti falta das tuas atualizações...

Li esse teu texto em uma espécie de extase - estou nessa fase da conquista. Confesso que está tão bom, é tão estimulante, intenso, sincero.... é um momento único - independente se dura segundos,horas, dias, meses.

Adorei ler - bem direto e sincero.

Bjo!

Lih...Amarante disse...

fui eu q escrevi aí em cima! rssss
Bjo!

Juliana Noronha disse...

adorei!!!

- Nessa ਏਓ disse...

Parabéens seu texto está otimo. :)
Ele nós faz pensar, é ate mesmo rir do q é a mais pura verdade.
Este lado da conquista é um lado maravilhoso, q nós dias de hj e ão raro encontar.


:*

Camila Ѽ disse...

eu diria ainda que encontrassemos o os momentos romanticos e de sedução ainda sim temos medo de perde-los... assim com esse medo da excessão a regra, acabamos por não nos entregarmos totalmente... nos perdemos em tentar aproveitar ao maximo o outro e ser egoista de oferecer a troca...